AtualAnteriores → Edição nº 120

INFORM@TIVO

 

NOVA LEGISLAÇÃO

AHESP participa de audiência com Ministro da Saúde

No último dia 9 de junho, o ministro da Saúde, Dr. Ricardo Barros, recebeu representantes do setor, em audiência em Brasília, cuja pauta foi a nova Lei 13.287/16, de 11 de maio, que proíbe o trabalho de gestante ou lactante em atividades, operações ou locais insalubres.

A AHESP foi representada por seu 1º secretário, Dr. Edison Ferreira da Silva, que também é presidente do SINDHOSFIL – Sindicato das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo – e esteve acompanhado pelo Dr. Yussif Ali Mere Júnior, presidente do SINDHOSP, pela presidente da Federação Nacional dos Enfermeiros e do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, Dra. Solange Caetano, e pelo Sr. Valdirlei Castagna, representando a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Saúde.

Preocupados com a repercussão da nova lei, que acrescenta um dispositivo à CLT, a audiência foi solicitada para que pudessem demonstrar a inviabilidade dessa imposição legal para os serviços de saúde do Brasil.

Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos (DIEESE), no estado de São Paulo, a categoria de Enfermeiros possui 68.530 profissionais e, deste total, 87% são do sexo feminino. Isso, obviamente, sem considerar os demais segmentos profissionais, como médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, auxiliares e técnicos de enfermagem, funcionários administrativos etc., o que resultará em um verdadeiro caos para as entidades de saúde do país, que terão sérios problemas para o cumprimento da lei em vigor”, argumenta o Dr. Edison.

De acordo com o secretário da AHESP, o ministro Ricardo Barros também ficou preocupado com a referida lei e seus impactos no Brasil, bem como nos serviços públicos e, durante a audiência, contando com a presença do representante da Advocacia Geral da União, deliberou a formação de um Grupo de Trabalho com integrantes do Ministério da Saúde, Casa Civil, Ministério do Trabalho e das entidades ali representadas.

Vale destacar que, visando discutir os impactos da nova legislação e algumas ações de sensibilização, na véspera da audiência no Ministério, o presidente do SINDHOSFIL realizou uma reunião na sede da entidade, para qual foram convidados representantes da AHESP, SINDHOSP, Sindicato dos Empregados de Estabelecimentos de Saúde, dos Enfermeiros  e dos Médicos, todos do Estado de São Paulo, além do SINDHOSFIL Vale do Ribeira, Conselho Regional de Enfermagem, Superintendência Regional do Trabalho e Comissão de Recursos Humanos do SINDHOSFIL., quando avaliaram também a situação na gestão de RH dos hospitais e as questões de custeio da medida.

Segundo o Dr. Edison Ferreira da Silva, nos próximos dias, será definido o cronograma do Grupo de Trabalho formado.

Lei nº 13.287, de 11 de maio de 2016:

Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para proibir o trabalho da gestante ou lactante em atividades, operações ou locais insalubres.

Art. 1º – A Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 394-A:

Art. 394-A – A empregada gestante ou lactante será afastada, enquanto durar a gestação e a lactação, de quaisquer atividades, operações ou locais insalubres, devendo exercer suas atividades em local salubre.


LIDERANÇAS EMPRESARIAIS

FBH participa de encontro com presidente interino da República, Michel Temer

O presidente interino Michel Temer recebeu, na quarta-feira dia 8, cerca de 200 empresários de todos os setores da economia no Palácio do Planalto. O encontro é o primeiro compromisso na agenda de Temer voltado especificamente para lideranças empresariais.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf, elencou pontos importantes para a retomada do crescimento no país: o não aumento de imposto, redução de juros, aumento de crédito e crédito especial para exportação. Afirmou ainda que os diferentes setores presentes representam milhões de empregos e que o caminho para restabelecer a confiança na economia brasileira é incentivar o crescimento, sem permitir que a crise política influencie nas tomadas das medidas econômicas necessárias ao País.

Todos nós sonhamos com o bem do Brasil e necessitamos de retomada do crescimento. Queremos reiterar a crença e o amor que temos pela nação brasileira”, concluiu Skaf.

Palácio do Planalto divulga vídeo com comentários dos líderes sobre o encontro.

O presidente da Federação Brasileira de Hospitais (FBH), Aramicy Pinto, compartilhou a mesma confiança. Segundo ele, os empresários de diversos setores presentes vivem um momento “depressivo” da economia, mas este governo que inicia com o presidente Temer traz uma injeção de confiança. “Vamos conseguir sair desta situação de insegurança e de falta de credibilidade. Eu acho que não poderia ter sido melhor para o Brasil a escolha dessa equipe de alto nível”, disse Aramicy sobre a equipe econômica do novo governo. 

Em discurso, Temer ressaltou que o foco da nova gestão é a busca de resultados concretos, como a volta do emprego. "Este é um país que precisa ser reinstitucionalizado. Ao longo do tempo, perdemos o respeito das instituições.

O presidente interino anunciou que vai enviar ao Congresso a proposta que estabelece um teto para os gastos da máquina pública. Os empresários disseram que a crise política não pode mais atrapalhar a economia do país.

Veja os comentários dos líderes empresariais sobre o encontro com Temer, clicando aqui.

Fonte: Comunicação FBH


PARCERIA

Ministro da Saúde recebe entidades do setor para discutir parceria público-privada

Gestores da iniciativa privada de saúde do país participaram de audiência com o ministro Ricardo Barros, em Brasília, com a intenção de oferecer soluções para a melhoria do setor.

Estiveram na reunião os presidentes da Federação Brasileira de Hospitais, Luiz Aramicy Pinto, da Confederação Nacional de Saúde, Tércio Kasten, e da Federação Nacional dos Estabelecimentos de Saúde, Breno Monteiro. Participaram também os vice-presidentes da CNS, Cláudio Allgayer e Marcelo Britto.

As entidades se colocaram à disposição para uma maior participação do setor privado na definição das políticas de saúde brasileiras. A proposta é promover maior integração entre os setores público e privado, propiciando intercâmbio de gestão, redução de esforços e racionalização dos recursos disponíveis para o atendimento à população.

Fonte: Comunicação FBH


É NOTÍCIA – HOSPITAIS

Hospital do Câncer de Barretos anuncia fechamento de uma unidade

Alegando falta de credenciamento e de recursos, o diretor Henrique Prata anunciou o fechamento do Instituto de Prevenção de Fernandópolis do Hospital de Câncer de Barretos em menos de 30 dias.  Inaugurado em 2013 e com capacidade para atender 200 pacientes por dia, o Instituto nunca foi credenciado pelo governo estadual e, por isso, o diretor informa que há um atraso de R$ 30 milhões em repasse de verba e que vem sobrevivendo de doações escassas. Além disso, Prata diz que a unidade de Jales também está ameaçada pela mesma razão.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo disse que as declarações são inverídicas e afirmou que, em 2013, a Fundação Pio XII, mantenedora do hospital, recebeu cerca de R$ 700 milhões para as unidades, incluindo a de Fernandópolis. Declarou também que R$ 178 milhões desse montante foram para cobrir o subfaturamento federal de forma absolutamente voluntária e que, até o fim do ano, serão outros R$ 36,5 milhões de repasses extras.

Como sabe bem o presidente da Fundação Pio XII, o Estado cumpriu o seu papel e aprovou a habilitação tanto dos serviços de Fernandópolis quanto de Jales. Infelizmente o governo federal não teve a mesma rapidez. O credenciamento de serviços oncológicos pelo SUS cabe ao Ministério da Saúde, mediante aumento de teto financeiro”, conclui a nota.

O Hospital do Câncer de Barretos conta com oito unidades – 3 em Barretos, 1 em Fernandópolis, 1 em Juazeiro (BA), 1 em Campo Grande (MS), 1 em Jales (SP) e 1 em Porto Velho (RO) e, de acordo com Henrique Prata, fechou o ano de 2015 com custo operacional de R$ 480 milhões e recebeu repasse do SUS de apenas R$ 207 milhões.

Assista matéria da TV Barretos aqui.

Fontes: Portal Saúde Business e TV Barretos


Oswaldo Cruz entre os finalistas do Global Healthy Workplace Awards

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz foi o único hospital brasileiro finalista do mais importante prêmio mundial dedicado à promoção da saúde e bem-estar no ambiente de trabalho, na categoria Grandes Empresas (Large Enterprises), com seu Programa Bem-Estar.

Baseado em um modelo de gestão integrada de saúde, segurança e qualidade de vida, a iniciativa do hospital existe há seis anos e está disponível para mais de 2.300 colaboradores. Trata-se de um processo de desenvolvimento organizacional com o objetivo de criar um ambiente de trabalho saudável.

O médico Rodrigo Bornhausen Demarch, gerente de Qualidade de Vida e Saúde do HAOC, apresentou o programa e representou a instituição na cerimônia do último dia 7, em Washington D.C. Os outros finalistas da categoria Grandes Empresas foram Johnson & Johnson Brasil e Monash University Austrália.

Fonte: HAOC


Villa-Lobos amplia ambulatório e pronto-atendimento

Localizado no bairro da Mooca, em São Paulo, o Hospital Villa-Lobos passa por mudanças estruturais e ampliação do atendimento à população, seguindo os planos de crescimento e expansão da Rede D´Or São Luiz, à qual foi integrado há um ano.

Além de inaugurar um novo Centro Médico Ambulatorial em um prédio próximo, está adaptando seu pronto-atendimento ao modelo de atendimento desenvolvido pela Rede e, segundo o diretor da unidade, Dr. Flávio Akira Sakae, outras novidades e melhorias estão por vir.

O novo Centro Médico Ambulatorial dobrou a capacidade de atendimento para 12 mil pessoas por mês, em mais de 20 especialidades, nas modernas instalações de 12 consultórios, em ambiente acolhedor e através de equipes multiprofissionais.

No pronto-socorro, está sendo implantado o modelo Smart Track de atendimento, que é caracterizado pelo sistema ágil de primeiro atendimento, no qual o paciente passa por uma rápida triagem ainda na abertura da ficha e é levado imediatamente para o box, onde é avaliado por diferentes profissionais, aumentando a efetividade do diagnóstico e tratamento.

Fonte: Portal Hospitais Brasil


Ed. Anteriores