AtualAnteriores → Edição nº 132

INFORM@TIVO

 

DESTAQUE

Em SP, Governo do Estado e Prefeitura anunciam parceria que inclui área da Saúde.

Acompanhado dos 22 secretários municipais, o prefeito João Doria participou de uma reunião com o governador Geraldo Alckmin e seus 25 secretários estaduais, na manhã da última segunda-feira. Durante o encontro, foram feitas parcerias nas áreas de Educação, Saúde, Transporte, Segurança, Habitação e Assistência Social.

Na Educação, haverá uma integração entre as redes, criando um calendário único de aulas municipais e estaduais, que irão começar e terminar juntas. Também haverá integração nos ciclos e no material pedagógico das redes de ensino. O Estado ainda irá ceder à gestão municipal salas de aulas que estejam ociosas.

Também foi definido que os telefones de emergências 190, 192 e 193 serão integrados para que exista apenas um número de urgência na cidade. O Estado irá ceder quatro carretas do Programa Dr. Consulta para a gestão municipal, como forma de ajudar a diminuir a fila de exames na cidade.

A Prefeitura e o Estado irão trabalhar na regularização fundiária, começando pela região de Heliópolis. Também foram liberados R$ 37 milhões do Estado para os programas Casa Paulista e Casa da Família. A Parceria Público-Privada do Centro já está em vigência e Doria entregou ao governador o alvará para início das obras.

As duas gestões irão inaugurar ainda uma Etec destinada exclusivamente à produção de games. Denominada de Etecri, ela ficará localizada na região da Lapa. O Estado também irá disponibilizar cinco carretas do Programa Via Rápida Emprego, para a realização de cursos de capacitação.

Já na Assistência Social, a parceria Prefeitura e Estado irá oferecer, dentro dos Centros de Integração da Cidadania (CICs), cursos de capacitação para pessoas em situação de rua. A Defensoria Pública do Estado também passará a ter um serviço exclusivo para atender essa população.

Uma outra parceria é relacionada ao Sistema Detecta. Atualmente ele conta com 178 câmeras com OCR; a meta é que ele passe a ter 950. As reuniões entre governo e município serão periódicas e devem acontecer a cada três meses.

Fizemos uma reunião de trabalho muito proveitosa. Essa sinergia irá beneficiar o cidadão, o munícipe de São Paulo. Possibilitando com menos custos se fazer mais e se fazer melhor”, disse o governador. “Isso é ganho de eficiência, redução de custo, ações integradas entre os governos, maior velocidade nas ações e menor burocracia. Quem ganha com isso é a população da cidade de São Paulo”, afirmou o prefeito.

Fonte: Prefeitura de SP – Secretaria Executiva de Comunicação


SAÚDE NO ESTADO

Programa Saúde em Ação, E-Atestado e Fábrica de Vacinas são as primeiras novidades de 2017.

Logo no segundo dia útil do ano, o governador Geraldo Alckmin assinou acordo com o BNDES para a construção da fábrica da primeira vacina brasileira contra a dengue, cujo projeto tem investimento total orçado em R$ 305,5 milhões.

Os recursos do banco (R$ 97,2 milhões) correspondem a 31% e serão investidos nas obras do novo prédio para escalonamento da produção, na instalação e montagem de equipamentos, mobiliário, insumos e serviços de qualificação, contribuindo também para a formação de equipes qualificadas para a condução dos estudos clínicos.

A nova fábrica já está em obras, tem 3.000 m² de área e foi planejada para produzir até 100 milhões de doses do produto concentrado e 30 milhões de doses da vacina liofilizada por ano. As informações são de que a planta foi projetada como uma plataforma versátil, que poderá operar para produção de outras vacinas, como raiva e zika.

Na mesma semana, em reunião com os 71 novos prefeitos, o governador apresentou o Programa Saúde em Ação, que será realizado em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento e foi criado para realizar 163 obras na área de saúde Serão R$ 826 milhões destinado à construção ou reforma de clínicas, hospitais, ambulatórios de especialidades e Centros de Atenção Psicossocial (Caps), nas regiões do Vale do Jurumirim, Campinas, Vale do Ribeira, Itapeva/Sorocaba e Litoral Norte.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Do total investido, 70% são do BID e o restante do Estado. Além das obras, o programa vai modernizar e articular a rede pública de saúde estadual e capacitar profissionais, de acordo com indicadores de saúde, econômicos e sociais apontados em estudo. A ideia é fortalecer o atendimento primário e integrar todas as unidades de saúde.

“Fortalecendo a atenção básica, é possível melhorar todo o sistema. Outro tema importante é a parte visível, as obras com bons projetos arquitetônicos, com unidades informatizadas, climatizadas e equipadas, para que o médico se sinta dignificado no exercício da profissão, já que um dos grandes desafios é fixar os profissionais na saúde primária”, enfatizou Ricardo Tardelli, coordenador do projeto pela secretaria. Segundo ele, atualmente, são 163 obras e reformas, sendo 64 iniciadas e previsão de mais de 40 ainda no primeiro semestre. “Uma das principais razões da presença dos prefeitos aqui é a de ter uma estreita cooperação no sentido de viabilizar a documentação, rotinas e burocracias”, disse.

Outra novidade prevista ainda para este mês é a sanção do Projeto de Lei 397/2016, de autoria do deputado Edmir Chedid (DEM), que tornará obrigatória a emissão de atestados médicos digitais, em nível estadual e poderá sujeitar os responsáveis por infração à multa de 200 Ufesps (R$ 5.014,00) por ocorrência.

Caso seja mesmo aprovado, o E-Atestado será indispensável para médicos das redes pública e privada de saúde, deverá ser acompanhado de relatório indicando a necessidade de afastamento do paciente de suas funções por prazo determinado, por meio de sistema específico, com segurança digital.

O autor da proposta garantiu à Assembleia Legislativa que a finalidade é justamente acabar com toda vulnerabilidade do modelo atual e oferecer mais segurança, autenticidade e integridade para os atestados.

Fonte: Agência Brasil


SAÚDE NA CAPITAL

Gestão Doria dá início ao “Corujão da Saúde” e estuda implantar o “Vale Medicamento”

Como resposta às críticas e também às piadas que circulam na internet, o novo prefeito da Capital segue trabalhando e colocando em prática suas promessas de campanha. Na última terça, dia 10, começou a funcionar o “Corujão da Saúde”, programa que pretende zerar a fila para exames, que é de 485,3 mil pessoas, num prazo de três meses.

Para tanto, firmou convênios com a Santa Casa de São Paulo e com três hospitais privados: HCor, Oswaldo Cruz e Sírio-Libanês, além de publicar chamamento público para credenciar outros estabelecimentos interessados no programa, que deve seguir até o final de janeiro.

No caso do hospital filantrópico, serão ofertados cerca de 40 mil atendimentos extras aos pacientes encaminhados pelas UBS que não conseguirem absorver suas demandas internas, para agilizar as consultas de reavaliação. O investimento no convênio com a Santa Casa será de R$ 400 mil.

Wilson Pollara, secretário municipal de Saúde.

Nos serviços credenciados, a prefeitura informa que os exames serão realizados preferencialmente das 20h à meia-noite e que dará preferência também para que sejam feitos no serviço mais próximo da casa do paciente. A remuneração dos procedimentos seguirá os valores da tabela do SUS e o investimento será de R$ 17 milhões.

Outra novidade estudada pela nova gestão é alterar a forma como a Prefeitura distribui medicamentos aos pacientes da rede. Atualmente, eles são retirados pessoalmente nas unidades de saúde e há muita reclamação quanto à ausência de vários itens. O secretário municipal de Saúde, Wilson Pollara, pretende usar qualquer farmácia da cidade para essa distribuição.

Segundo ele, o formato do programa ainda não está fechado, mas informa que a pasta está estudando se fornecerá uma espécie de “vale medicamento” ou se criará um site específico para que a rede particular de farmácias possa checar e validar as receitas.

Não queremos mais entregar remédio nas UBS. Essa logística não dá certo, é muito difícil. Vamos começar a trabalhar nisso”, disse o secretário, complementando que já solicitou ao departamento de informática que pesquise o melhor mecanismo e afirmando que o que quer é que o paciente possa retirar o remédio na farmácia ao lado de sua casa.

Assista entrevista do secretário municipal de Saúde para o Bom Dia São Paulo, aqui.

Fonte: Prefeitura de SP e jornais Agora e O Estado de S. Paulo


SAÚDE SUPLEMENTAR

Prorrogadas as inscrições para a Fase 2 do Projeto Parto Adequado

Atendendo pedido de hospitais e operadoras interessados em participar da iniciativa, a Agência Nacional de Saúde Suplementar prorrogou as inscrições para a Fase 2 do Projeto Parto Adequado até o próximo dia 20 de janeiro.

A nova etapa contemplará um número quatro vezes maior de participantes, ou seja, 150 hospitais de todo país e será desenvolvida ao longo de dois anos. Os critérios de seleção e demais orientações para a candidatura podem ser conferidos aqui.

Desenvolvido pela ANS, Hospital Israelita Albert Einstein e Institute for Healthcare Improvement (IHI), o projeto tem por objetivo identificar modelos inovadores e viáveis de atenção ao parto e nascimento, que valorizem o parto normal e reduzam o percentual de cesarianas desnecessárias, na saúde suplementar.

Na Fase 1, nos 26 hospitais que fizeram parte do grupo piloto, a taxa de partos vaginais cresceu em média 76%, saindo de 21% em 2014 para 37% ao final de 2016. De acordo com a Agência, se forem considerados os 35 hospitais que participaram da iniciativa, incluindo seguidores e colaboradores, o crescimento médio foi de 43%, ou seja, mais de 10 pontos percentuais. Nove hospitais conseguiram atingir ou superar individualmente a meta de 40% de partos vaginais e, em 18 meses, mais de 10 mil cesáreas sem indicação clínica foram evitadas.


Ed. Anteriores