AtualAnteriores → Edição nº 133

INFORM@TIVO

 

DESTAQUE

11º Encontro Anual de OPME / DMI acontece em fevereiro, em São Paulo.

Impactada pela crise econômica e pelas dificuldades enfrentadas pelo setor de saúde suplementar, a cadeia de negócios das OPMEs/DMIs ainda convive com a existência de denúncias de corrupção e necessita de respostas efetivas para restabelecer a confiança do mercado.

Considerando esse contexto, o InformaGroup promoverá o 11º Encontro Anual no dia 13 de fevereiro, das 8h20 às 18 horas, no Masksoud Plaza, em São Paulo. Segundo os realizadores, o objetivo da edição 2017 é criar um ambiente propício para apresentar propostas e ações concretas de cada agente para continuar a evolução setorial, fortalecendo a transparência e competitividade do mercado brasileiro.

Entre os temas que serão debatidos, estão Remuneração e Ética; Competitividade do Setor X Crise; Programas de Compliance e Transparência; Tratamento das Denúncias e Combate à Impunidade; Regulação do Setor. Para tanto, foram convidados gestores e especialistas, que compartilharão experiências e modelos de aplicabilidade prática.

Encerrando a programação do evento, a Mesa Redonda Exclusiva sobre Remuneração vai abordar qual o modelo de maior eficácia para nortear uma relação ética entre os elos da cadeia de OPME, apresentando alguns em discussão na ANS e avaliando seus impactos para o setor.

Uma mudança setorial que inspire ética e transparência exige um olhar apurado para a questão da remuneração”, afirmam os organizadores, que convidaram para compor a mesa Eduardo de Oliveira, presidente da AHESP e vice-presidente da FBH; Aderval Paulo Filho, presidente da UNIDAS; Carlos Goulart, presidente-executivo da ABIMED e Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da ABIMO.

Para conhecer os benefícios de participar do 11º Encontro Anual de OPME/DMI, saber sobre inscrições e demais informações, acesse aqui.


OMS

Coalizão Internacional contra Epidemias e alerta mundial de Gripe Aviária

A criação de uma grande coalizão internacional para desenvolver vacinas que possam combater rapidamente epidemias globais foi anunciada no Fórum Econômico Mundial, em Davos, no último dia 19 de janeiro.

Chamada de CEPI (Coalition for Epidemic Preparedness Innovations) e priorizando vacinas para epidemias consideradas importantes, tem como secretário-geral John-Arne Rottingen, que explicou que a iniciativa é uma reação à epidemia de ebola na África, que matou mais de 11 mil pessoas em 2014.

Segundo ele, a coalizão pretende lutar, principalmente, contra a síndrome respiratória por coronavírus, a febre de Lassa e o vírus Nipah, que têm potencial comprovado para provocar epidemias, mas avisou: “Temos que estar preparados para o desconhecido”.

As promessas de doação de Alemanha, Noruega e Japão, além da fundação Melinda & Bill Gates e do Wellcome Trust já somam US$ 460 milhões e a CEPI também terá a participação da OMS, de ONGs e grupos farmacêuticos.

Margareth Chan, chefe da OMS.

Posteriormente, no último dia 23, o momento foi de alerta internacional. Durante reunião em Genebra, a Organização Mundial de Saúde fez um apelo para que todos os países intensifiquem o monitoramento da Gripe Aviária e informem rapidamente sobre casos em seres humanos.

Informando que, desde novembro, 40 países registraram novos surtos altamente patogênicos, Margareth Chan, chefe da OMS, afirmou: “Não podemos perder os primeiros sinais”.

Segundo ela, a expansão rápida da distribuição geográfica dos surtos e o número de cepas do vírus em circulação colocaram a OMS em alerta elevado. “Em dezembro, houve um aumento repentino e profundo de casos do H7N9 em seres humanos, na China. A OMS não foi capaz de descartar uma disseminação humano-humano em dois casos, embora não tenha sido detectada disseminação sustentada até o momento”, informou.


SAÚDE SUPLEMENTAR

Em 2016, mais de 1,3 milhão de pessoas deixaram os planos de saúde.

Embora represente uma queda de 2,8% em comparação ao ano anterior, 1,37 milhão de brasileiros saíram dos planos de saúde em 2016. A informação é da Nota de Acompanhamento de Beneficiários produzida pelo Instituto de Estudos da Saúde Suplementar e divulgada esta semana.

Os dados do IESS mostram que a Região Sudeste puxou a queda, com 79,9% do total do país, ou seja, 1,1 milhão dos que deixaram os planos. Apenas no estado de São Paulo, foram  630,3 mil beneficiários a menos, número maior do que a soma dos vínculos rompidos em todas as outras regiões do Brasil.

Para Luiz Augusto Carneiro, superintendente do Instituto, o resultado negativo para o setor é consequência do cenário econômico desfavorável e, principalmente, da redução de postos de trabalhos formais, uma vez que os planos coletivos empresariais ainda representam a maior parte dos planos médico-hospitalares do país.

Segundo o Caged, o saldo de empregos do ano passado ficou negativo em 1,32 milhão, mas, como o plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, os beneficiários, mesmo desempregados, optam por cortar outros gastos antes de romper o vínculo com a operadora”, explicou, ressaltando que a queda poderia ter sido ainda maior.

Para conferir a Nota (NAB), que é consolidada a partir de distintas bases de dados da própria ANS, clique aqui.

Fonte: IESS


Multas aos planos de saúde poderão ter limite de 20% de desconto

Geraldo Magela/Agência Senado

De autoria do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e com relatório favorável do senador Dário Berger (PMDB-SC), o PLS 160/2016 limita a 20%, no máximo, os descontos que podem ser oferecidos às operadoras sobre as multas decorrentes de infrações contra consumidores e tramita na Comissão de Assuntos Sociais.

Caso seja aprovado, deverá seguir direto para análise na Câmara dos Deputados, uma vez que a decisão no colegiado é terminativa e a palavra final no Senado só caberá ao Plenário se houver recurso assinado por pelo menos nove senadores.

De acordo com justificativa do autor, a Resolução Normativa 388 da ANS, de 2015, é alvo de pesadas críticas de especialistas de saúde pública e da imprensa. Isso porque determina que, se optar pelo pagamento antecipado e a vista, a operadora obterá desconto de 40% sobre o valor da multa. Se o dano for ressarcido em até dez dias e de forma voluntária, a redução será de 80%.

Para o senador Aloysio, benefício tão elevado pode estimular a persistência da prática infracional e providências administrativas permitem atenuar significativamente a punição. Já o relator Dário acha os descontos oferecidos excessivos, gerando permissividade e que há mesmo necessidade de impor limites ao poder regulamentador da Agência.

Fonte: Agência Senado


Aperfeiçoar a fiscalização é objetivo de novo Grupo de Trabalho da ANS

A Agência Nacional de Saúde Suplementar, por meio da Diretoria de Fiscalização (DIFIS), instituiu um grupo de trabalho para discutir e aperfeiçoar a fiscalização que realiza junto às operadoras de planos de saúde: o GT Debates Fiscalizatórios.

A criação se deu pela Portaria nº 4, de 11 de janeiro de 2017, e o novo grupo reunirá representantes de operadoras, de prestadores de serviços de saúde e de órgãos de defesa do consumidor. O objetivo é que, ao final das atividades, seja criado um novo modelo de fiscalização centrado na racionalidade, proporcionalidade e eficiência das ações e, ainda, na efetividade de seus resultados.

Com a realização de encontros promovidos pela DIFIS, a agenda de debates fiscalizatórios foi iniciada no ano passado, mas a primeira reunião do GT está agendada para o próximo dia 7 de fevereiro, no Rio de Janeiro.

Segundo nota da agência reguladora, formalizado como GT, o grupo aprofundará estudos, analisará propostas e contribuições, promoverá discussões e debates sobre os procedimentos adotados, para a estruturação e realização de suas ações fiscalizatórias.

Fonte: ANS


É NOTÍCIA

Especialistas dizem que Dasa ganhará credibilidade com compra de Salomão&Zoppi

A análise da transação avaliada em R$ 600 milhões assinada na madrugada do último dia 20 foi divulgada pelo Valor Pro (serviço em tempo real do Valor), que antecipou que parte será paga em dinheiro e outra fatia em ações.

Depois de anos de assédio de investidores e concorrentes, os fundadores do Salomão&Zoppi venderam 100% da rede de laboratórios para a Dasa em menos de 20 dias. As informações são de que o descredenciamento pela Bradesco Saúde, ocorrido em outubro e que representava cerca de 25% da receita, foi o que motivou Luís Salomão e Paulo Zoppi a fecharem a transação. Os médicos, no entanto, continuarão à frente do negócio.

Com a aquisição, a Dasa vai atender o público intermediário alto e passará a prestar serviço desde a base até o topo da pirâmide. Além disso, vai concorrer diretamente com os laboratórios da bandeira a+, do Fleury, e dificultará a entrada de outros players”, disse Aleardo Veschi, sócio da Hunter Capital, assessoria de fusões e aquisições.

De acordo com especialistas, o interesse do mercado em torno do Salomão&Zoppi é muito mais pelo prestígio junto à comunidade médica do que pelo tamanho da rede (nove unidades). Além disso, há uma expectativa de que o setor passe por um novo “boom”, com a chegada de novos concorrentes e analisam que Dasa e Fleury estão com caixa para aquisições, depois de concluírem recentemente uma profunda reestruturação.

E o Informativo AHESP apurou que corre no mercado um boato de que o Grupo NotreDame Intermédica está comprando a Green Line e a Unimed Guarulhos, podendo se transformar na terceira maior operadora de saúde do país. Nada oficial, mas, nos últimos tempos, temos visto que sempre onde há fumaça, há fogo...


Amil lança plano de saúde popular no Rio de Janeiro

Com a estratégia de entrar no mercado fluminense com preço competitivo, a Amil lançou um modelo de plano de saúde para atrair consumidores com menor poder aquisitivo, no Rio de Janeiro, onde a operadora conta com quatro hospitais, unidades de emergência e centros médicos.

O NEXT Saúde, composto por rede verticalizada, é um plano de assistência médica baseado no modelo de atendimento em rede própria regional composta por hospitais, unidades de pronto atendimento e consultórios, vai atender micro e pequenas empresas com, no mínimo, duas vidas e será comercializado a partir de R$ 122,87, segundo informou o Extra Globo. Em São Paulo, o modelo existe desde 2015 e já conquistou 170 mil beneficiários.

O objetivo é atrair clientes corporativos de todos os portes, segmento que registrou a maior queda no número de contratos em 2016 e o produto oferece apoio técnico ao gestor, programas de saúde para os beneficiários e metodologia para controlar os custos médicos, que impactam diretamente nos reajustes futuros, através de uma equipe profissional de suporte ao setor de RH das empresas clientes. “O trabalho dessa equipe engloba a realização de reuniões periódicas, elaboração de relatórios gerenciais mensais, estudos do perfil de utilização do plano e propostas de ações com base nos dados avaliados”, explica Heraldo Jesus, diretor do NEXT Saúde.


Primeiro hospital certificado com ISO 14001 é do estado de São Paulo

Embora já fosse certificado pela ISO 14001 na versão 2004 desde 2014, em dezembro, o Hospital Dr. Miguel Soeiro, da Unimed Sorocaba, transformou-se na primeira instituição brasileira da área da saúde a conquistar o ISO 14001 em sua mais nova versão, a 2015.

Para conquistar o certificado, novas políticas e procedimentos passaram a ser adotados há alguns anos pelo HMS, sobretudo a partir de fevereiro de 2016, para, então, realizar o upgrade para a ISO 14001:2015. Entre eles, iniciou projetos para reduzir e até mesmo abolir totalmente o uso de papel em seus processos assistenciais e administrativos, substituir as lâmpadas fluorescentes por modelos LED e migrar para o mercado livre de energia.

De acordo o presidente da Unimed Sorocaba, José Francisco Moron Morad, o principal desafio para cumprir os requisitos foi alinhar o envolvimento das partes interessadas e as gestões setoriais sob uma perspectiva mais ampla e integrada, voltadas para questões ambientais, além da implementação de uma sistemática de análise do ciclo de vida.

As principais mudanças na ISO 14001:2015 foram a abordagem integrada para a gestão organizacional, centrada na sustentabilidade do negócio e na administração de riscos; garantia de proteção ambiental; maior envolvimento e interesse das partes interessadas e foco no alinhamento estratégico da organização.

Atualmente, a cooperativa médica local congrega 1.060 médicos e 1.950 colaboradores diretos e, segundo o Inmetro, há apenas 14 empresas certificadas na versão 2015, mas nenhuma na área hospitalar. Por isso, a AHESP parabeniza a instituição pela iniciativa e conquista!


CURSOS

Pós-graduação na área da Saúde está com inscrições abertas

O Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (IEP/HSL) está com inscrições abertas para a pós-graduação lato sensu 2017.  Ao todo, são 17 cursos divididos em especialização e aperfeiçoamento, destinados a médicos, enfermeiros, gestores e outros profissionais de saúde.

O objetivo do programa é desenvolver as competências, habilidades e os conhecimentos necessários para que esses profissionais possam atuar e se destacar em um mercado que registra alto índice de empregabilidade, mesmo em tempos de crise. De acordo com Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde do Ministério da Saúde (CNES) são 3,2 milhões de vínculos trabalhistas nas redes pública e privada de saúde, em todo o país.

Entre as Especializações, os interessados podem contar com os cursos de Cirurgia Urológica Minimamente Invasiva, Cuidados ao Paciente com Dor, Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva, Endoscopia Digestiva Terapêutica, Gestão da Atenção à Saúde, Informática em Saúde, Medicina Farmacêutica, Medicina Intensiva para Adultos, Neuro-Oncologia, Reprodução Assistida, Neurointensivismo para adultos e Diabetes.

A pós-graduação em Cuidados Paliativos, por sua vez, é oferecida nas duas modalidades: Especialização e Aperfeiçoamento. No que tange ao Aperfeiçoamento, a relação de cursos oferecidos pelo IEP/HSL inclui Anestesia e Terapia Intensiva Pediátrica, Anestesia Regional e Coloproctologia.

Em todos os cursos são utilizadas modernas ferramentas de ensino-aprendizagem e metodologias híbridas, envolvendo simulação realística, challenge based learning, design thinking, games, entre outras. Além disso, os alunos são continuamente estimulados a produzir novos conhecimentos, tecnologias e inovação em saúde.

"Nosso objetivo é atuar na formação e qualificação de profissionais de saúde em âmbito nacional. Para isso, dispomos de estrutura moderna, além de renomados professores que compartilham seus conhecimentos e principalmente suas experiências nas áreas", ressalta Gisleine Eimantas, superintendente de Ensino do Hospital Sírio-Libanês. 

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo endereço iep.hospitalsiriolibanes.org.br/web/iep/latosensu. A seleção dos candidatos acontecerá por meio de provas, análise de currículo e entrevistas.


Ed. Anteriores