AtualAnteriores → Edição nº 17

INFORM@TIVO

 

EDITORIAL

 

EM BREVE, AHESP LANÇARÁ NOVO SITE.

Contagem regressiva... aguardem!

A AHESP está dando mais um importante passo em sua nova política de comunicação e, nos próximos dias, colocará no ar o seu novo site.

Totalmente reformulada, a home page da Associação dos Hospitais do Estado de São Paulo pretende ser mais dinâmica, interativa e moderna, visando suprir às necessidades dos profissionais do setor hospitalar.

Além disso, a AHESP está substituindo todo seu sistema de informação, implantando um programa desenvolvido para suas demandas específicas, visando agilizar o atendimento, as trocas de informações, a atualização do banco de dados, enfim, adequando suas ferramentas às atuais necessidades do mercado.

Como profissional da saúde, o que você gostaria de ver no site? Tem sugestões para estreitar ainda mais nosso relacionamento? Escreva para nós e participe da construção de mais esse canal de comunicação.

Até breve!



Dr. Volney Waldivil Maia
Presidente

 

 

 

ARTIGO

 

A SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL.

Não existem dados oficiais sobre a quantidade de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) gerados no Brasil e sua destinação final. Sabe-se que a coleta executada por grande parte dos municípios é parcial. No entanto, em 2010, o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) identificou, na amostra de municípios, que já existe uma coleta diferenciada de RSS, em 90% das cidades.

Algumas destinações, segundo estimativas:

35,1% => incinerados 26% => aterros
13,2% => lixões 11,5% => valas sépticas
5,8% => tratados por autoclave 5,8% => tratados por micro-ondas

O restante é reciclado ou tem destinação desconhecida, representando risco à saúde pública e ao meio ambiente e, portanto, é necessário um conjunto de procedimentos de gestão para minimizar a produção de RSS e proporcionar um encaminhamento seguro e eficiente.


A Acreditação e o Equacionamento dos Resíduos dos Serviços de Saúde


A acreditação busca expressar, por meio de seus requisitos, 11 fundamentos reconhecidos internacionalmente e que podem se traduzir em melhores práticas e resultados. Dentre eles estão o “Foco na Segurança”, ou seja, a promoção de um ambiente seguro para todas as partes interessadas e a “Responsabilidade Socioambiental”, com a incorporação de meios que visem a minimização dos impactos negativos potenciais de suas atividades na sociedade e uma das formas de traduzir esta preocupação é a atenção aos resíduos dos serviços de saúde.

A análise é de Jaqueline Gonçalves, Assessora Técnica da Organização Nacional de Acreditação, que participa ativamente da elaboração dos manuais da ONA. Ela explica que desde 1999, ou seja, do primeiro manual, a gestão de resíduos esteve presente nos requisitos de avaliação para acreditação. A partir de 2010, os resíduos passaram a ser abordados de forma sistêmica, em todas as subseções do manual, incluindo sua incorporação na responsabilidade da administração da organização de saúde, com a definição e comprometimento com uma “política de gestão de resíduos”.



Experiências Bem Sucedidas


Os resultados obtidos com a adoção dessas práticas reforçam a importância da gestão sistêmica estabelecida pela acreditação e demonstram que o cuidado e a destinação correta dos resíduos têm reflexos positivos em toda a cadeia do serviço de saúde. É o caso do Biocor Instituto, hospital de Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, que tem um gerenciamento monitorado por indicadores, apresentando resultados considerados excelentes ao longo do tempo.

Na visão do sistema integrado de gestão do Biocor, que foi um dos pioneiros na Acreditação ONA Nível III (Acreditado com Excelência), em 2005, os resíduos estão dentro do escopo do Manual ONA e demais normas das suas certificações.

Com a gestão totalmente focada nas decisões baseadas em resultados (indicadores), o gerenciamento de aspectos e impactos ambientais obteve a redução no volume de resíduos biológicos gerados, com aumento do volume de resíduos recicláveis e equilíbrio dos resíduos comuns frente às tendências positivas dos demais resíduos, inclusive aqueles encaminhados para incineração, conforme o gráfico ilustrativo.

A boa gestão associada ao descarte correto de resíduos permite o incremento de ação social, com a doação de parte dos resíduos recicláveis em benefício de uma associação local.

1-Grafico Biocor.jpg

Como reflexo da gestão integrada, a relação da geração de resíduos ao longo do período em que o programa está em andamento foi inversamente proporcional à implementação de ações que culminaram, por exemplo, em um aumento médio anual de 10% no número de cirurgias, mesmo percentual registrado também nas internações e nos atendimentos de urgência registrados anualmente. A taxa de ocupação, atualmente, está acima de 92%.

No Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR), que começou seu processo de certificação em 2003, o Programa de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde foi implantado em 2004 pela Comissão de Gerenciamento de Resíduos, com o objetivo de reduzir a produção, visando à preservação e proteção da saúde pública, dos recursos naturais e do trabalhador. A Comissão acompanha os contratos para coleta, tratamento, transporte e destinação final de resíduos, mas, o sucesso do programa é atribuído, também, ao apoio da Direção, à parceria com a Hotelaria Hospitalar e à sensibilização e envolvimento dos profissionais de saúde.

Em 2009, a Comissão promoveu diversas capacitações, atingindo 97% dos locais de trabalho e um total de 2.089 pessoas. No ano seguinte, foi registrado o encaminhamento de 161.030,61kg de resíduos infectantes e perfuro-cortantes para autoclave e 14.907,30kg de resíduos químicos para incineração. Além disso, 810 litros de óleo de cozinha foram destinados à reciclagem, com retorno em forma de sabão em pasta e detergente.

A doação de materiais recicláveis teve um aumento de 21% de 2009 para 2010, sendo encaminhados aproximadamente 113.250kg para associação de catadores, atendendo ao Decreto Federal 5.940/06. Em 2011, com a conclusão da implementação do projeto, foram adquiridas 3.772 lixeiras, com identificação visual adequada e 106 carros coletores para armazenamento temporário de resíduos. Foi feita também a reforma do abrigo externo de resíduos, com áreas separadas para os resíduos infectantes e comuns e ampliação para acondicionamento dos resíduos recicláveis.

Como resultado dessas iniciativas, em quatro anos registrou-se a redução de 65% no volume total dos resíduos e o Programa de Gerenciamento de Resíduos do HC foi escolhido em 2010, pelo Ministério da Educação e Banco Mundial, como modelo para os Hospitais Universitários Federais do Brasil. Recentemente, uma comitiva de várias nações, acompanhada por uma equipe do banco, veio ao Brasil para conhecer o programa e avaliar a possibilidade de reproduzi-lo em seus países.

Eli Serenza, Assessora de Imprensa da ONA

 

 

LEGISLAÇÃO

 

CONFIRA AQUI AS NOVIDADES DO LEGISLATIVO.

Veja, na íntegra, as Resoluções Normativas do mês, clicando nos links.

 

Agência Nacional de Saúde - ANS



● RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 275 – 01/11/2011:

Dispõe sobre a Instituição do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar – QUALISS.

Veja mais


● RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 277 – 04/11/2011:

Institui o Programa de Acreditação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde.

Veja mais


Ed. Anteriores