AtualAnteriores → Edição nº 26

INFORM@TIVO

 

EDITORIAL

 

CURSOS DA AHESP JÁ COMEÇARAM E, EM MAIO, SERÁ A VEZ DO FÓRUM DE RH

O número de participantes e as avaliações dos primeiros cursos de 2012 nos deixaram bastante satisfeitos! Além de demonstrar que a Associação selecionou temas de interesse dos profissionais que atuam na área hospitalar, inclusive com aprovação dos introduzidos este ano, indicam também que acertamos na escolha dos palestrantes.

Neste mês de março, foram realizados os cursos de Auditoria e Gestão Financeira, ambos na área de faturamento, e o novo Gastronomia Hospitalar. Para abril, a novidade ficará por conta do tema Rouparia Hospitalar.

E tem mais novidade. Como informamos em edição anterior, a AHESP lançará o Fórum de Recursos Humanos que, agora, já tem data para começar. Será no dia 9 de maio, das 8h30 às 11 horas, na sede da entidade e as inscrições já estão abertas e são gratuitas.

O objetivo é formar um grupo informal de profissionais de RH para, além de proporcionar troca de experiências e network entre os participantes, possibilitar conhecimentos quanto às necessidades e expectativas das empresas hospitalares, realizar ações de capacitação com custos compartilhados, otimizar despesas, entre outras coisas.

Saiba mais clicando aqui e participe!

Boa leitura e até a próxima!



Dr. Volney Waldivil Maia
Presidente

 

 

É NOTÍCIA

 

HOSPITAL MANAGEMENT SUMMIT ACONTECE EM ABRIL E TEM APOIO DA AHESP

De 11 a 13 de abril, a Amcham Business Center será palco do Fórum Estratégico de Gestão, Inovação, Desenvolvimento Profissional e Relacionamento entre os Players do Setor Saúde – Hospital Management Summit. O evento é organizado e promovido pelo Informa Group, o maior provedor mundial de informação especializada em serviços para as comunidades acadêmica e científica, profissional e empresarial e tem a AHESP como apoiadora. Esta 2ª edição contará com mais de 70 palestrantes que são referência no setor hospitalar, simpósio pré-conferência com reunião da cadeia suplementar (hospital, fornecedor e operadora), sessões simultâneas agrupadas por setor e assunto de interesse, painéis e mesas temáticas. Segundo os organizadores, a edição terá uma abordagem inédita, com a reunião de hospitais privados, públicos, filantrópicos e santas casas, para desenvolver novas estratégias em harmonia com as necessidades do mercado atual. Associados da AHESP têm desconto especial na inscrição, veja aqui.

Maiores informações: www.hms-ibc.com.br

 

FUNDAÇÃO AMARAL CARVALHO REALIZA EVENTO NO PRÓXIMO SÁBADO

A partir do próximo dia 31 de março, o Laboratório do Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, passará a se chamar Laboratório de Análises Clínicas Ivete e Evilásio Gambarini. A cerimônia de descerramento da placa acontecerá a partir das 10h30. Como presidente da AHESP, o Dr. Volney Waldivil Maia agradece o convite do Diretor Superintendente Ricardo Cesarino Brandão e deseja muito sucesso!

Fonte: AHESP

 

ANS FAZ VISITA TÉCNICA NA UNIMED FORTALEZA PARA APURAR DENÚNCIAS

Estava prevista para o último dia 23 de março a visita técnica da Agência Nacional de Saúde Suplementar à Unimed de Fortaleza. O objetivo é apurar denúncias de que a cooperativa está descredenciando laboratórios de análises e clínicas de imagem da capital cearense. Segundo Marcilene Moreira, assessora jurídica do Núcleo Regional de Fiscalização da ANS, há indícios de desabastecimento para os clientes, uma vez que muitas clínicas já receberam aviso para deixar de atender os usuários e estão cumprindo o prazo de 30 dias. "Nós só soubemos porque as próprias clínicas reclamaram à ANS. Embora a legislação só se pronuncie contra o descredenciamento de hospitais, não há dúvida que a redução no número de prestadores trará prejuízo aos clientes do plano", afirma. Para ela, o descredenciamento é uma forma de pressionar as clínicas a aceitarem proposta de redução na tabela de pagamento pelos exames e, por isso, a Agência já entrou com processo administrativo contra a operadora para coibir a prática. Uma nota de repúdio à atitude da Unimed foi publicada conjuntamente pela Associação Médica Brasileira (AMB), Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial.

Fonte: Diário do Nordeste e FBH

 

USP PODERÁ IMPLANTAR ESCOLA DE MEDICINA EM BAURU

No último dia 22, o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC-USP/Centrinho) recebeu a visita do professor doutor Marcos Boulos. Além de Superintendente de Saúde da USP, ele preside a comissão nomeada pela reitoria da Universidade para avaliar a viabilidade e conveniência de implantar uma escola de medicina na cidade de Bauru. Após ser recepcionado pelo prefeito do Campus, professor doutor Ruy César Camargo Abdo, e demais dirigentes, Boulos participou de várias reuniões técnicas. Outro assunto em pauta foi a discussão de projetos para o novo prédio de 12 pavimentos localizado na frente das Nações Unidas.

Fonte: Serviço de Comunicação Centrinho-USP

 

SÃO PAULO TEM A PRIMEIRA SALA HÍBRIDA EM CENTRO CIRÚRGICO DO PAÍS

Entregue no último dia 15 de março pela Secretaria Estadual de Saúde, a primeira sala híbrida construída em um centro cirúrgico fica no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Com investimento de R$ 4,5 milhões e ocupando um espaço de 130 m², o novo serviço associa os aparatos do centro cirúrgico a um equipamento de ponta na área de diagnóstico, o Artis zeego, robô alemão que executa oito movimentos diferentes. Com isso, permite que exames feitos com imagens de alta resolução e 3D ajudem a guiar cirurgias cardíacas complexas. Com possibilidade de realizar 1.000 procedimentos por ano, a sala híbrida conta com uma equipe multidisciplinar formada por cinco médicos intervencionistas, dois cirurgiões, um anestesista, um especialista em tomografia, três em ecografia e um clínico. Outro destaque é que o robô permite importar imagens diagnósticas de exames anteriores do paciente para auxiliar no procedimento. “É uma iniciativa pioneira na saúde pública do Estado de São Paulo, que alia o que há de mais moderno na área de tecnologia médica a uma das principais equipes de atendimento de cardiologia do país”, afirmou o Secretário Giovanni Guido Cerri.

Fonte: Jornal O Estado de S. Paulo

 

 

ASSESSORIA JURÍDICA

 

COMO FICARÁ O NOVO MODELO DE REMUNERAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE?

Um dos temas proeminentes na agenda atual do setor de saúde refere-se ao novo modelo de remuneração a ser paga aos prestadores de serviços de saúde credenciados pelas operadoras dos planos proposto pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Toda mudança, se feita com cautela, pode ser benéfica em um futuro próximo, mas até a definição do novo modelo, predominarão dúvidas, incertezas e preocupações.

A ANS organizou um grupo de trabalho (GT) para implantação de um projeto-piloto com duração de 12 meses. Ainda sem data para iniciar atividades, o GT tem o objetivo de discutir a nova sistemática de remuneração e integra representantes da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas), Unimed, Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Confederação das Santas Casas de Misericórdia (CMB), Conselho Nacional de Saúde (CNS), Federação Brasileira de Hospitais (FBH) e Associação Médica Brasileira (AMB).

Cada associação integrante tem a incumbência de indicar três duplas de operadores e hospitais que poderão ser escolhidos para a execução do trabalho. O projeto será dividido em três fases, sendo que a primeira envolve a implementação da diária compacta, seguida da implantação de 20 procedimentos gerenciados e do modelo de avaliação de desempenho. Na última etapa, será realizado o monitoramento do trabalho.

Ao longo desse processo, o grupo debaterá as premissas do novo modelo, que contemplam tangibilidade dos serviços, multiplicidade das formas de remuneração, engajamento dos médicos, ajuste do risco, livre concorrência, remuneração por desempenho, contratualização e padronização.

Mesmo antes do início das discussões, foram definidos pacotes para casos cirúrgicos e diárias globais para eventos clínicos. Estão em discussão a incorporação tecnológica, o dinamismo dos pacotes, critérios e periodicidade de reajuste, bem como indicadores de desempenho, política de aquisição de materiais e padronização de insumos. O GT ainda estabelecerá o que contemplam ou não a diária de enfermaria, quarto, UTI, metodologia para migração das margens das Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMES), materiais e medicamentos para as diárias e taxas.

De acordo com especialistas, os principais motivos para as mudanças são a escalada dos custos envolvidos nos procedimentos médicos, principalmente os insumos, e o atual sistema que remunera os prestadores de serviço pela quantidade de atendimentos efetuados. O modelo vigente privilegia o gasto com insumos em detrimento de serviços e honorários médicos – quase 50% das despesas hospitalares correspondem a insumos, enquanto os médicos ficam com 12,5%.

Como são modificações profundas, temos de ficar muito atentos e é essencial um período de adaptação até que tudo seja colocado em prática. O objetivo final deve ser o de assegurar uma provisão de custos mais eficiente, de maneira a aprimorar a qualidade dos serviços sem ônus adicionais para a população assistida pelos planos de saúde – que é, em última análise, quem financia o sistema.



Dr. Dagoberto José Steinmeyer Lima
Consultor Jurídico da FBH e da AHESP

 

 

LEGISLAÇÃO

 

DESTAQUES LEGISLATIVOS PARA O SETOR

Veja, nesta seção, a Resolução da Presidência da República, através de sua Secretaria Executiva, deliberada pelo Conselho de Ministros da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.

 

Presidência da República – Conselho de Governo
Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos – Secretaria Executiva



● RESOLUÇÃO N.º 002 – 12/03/2012 Dispõe sobre a forma de definição do Preço Fabricante – PF e do Preço Máximo ao Consumidor – PMC dos medicamentos em 31 de março de 2012, estabelece a forma de apresentação do Relatório de Comercialização à Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos – CMED, disciplina a publicidade dos preços dos produtos farmacêuticos e define as margens de comercialização para esses produtos.Veja mais


Ed. Anteriores