AtualAnteriores → Edição nº 68

INFORM@TIVO

 

EM DESTAQUE

 

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE PLANO DE CONTAS SERÁ LANÇADO EM SÃO PAULO

No próximo dia 19 de fevereiro, a Federação Brasileira de Hospitais (FBH), com o apoio da AHESP, realizará evento no Hotel Pestana, em São Paulo, para marcar o lançamento do “Manual de Utilização de Plano de Contas – com foco no mercado de Saúde Suplementar e Sistema Único de Saúde”, de autoria de Wagner Barbosa de Castro.

A programação, das 15 às 18 horas, inclui palestra do Dr. João Fernando Moura Viana, além de seção de autógrafos e coquetel.

Antecedendo o evento, no entanto, o autor concordou em adiantar algumas informações da publicação para os leitores do Informativo AHESP:

Este livro tem como objetivo levar aos colegas da área de saúde um pouco da nossa experiência, não somente aos profissionais de contabilidade, mas a todos aqueles que têm poder de decisão e que, de alguma forma, mexem com a economia das entidades. Ele mostra de forma muito clara que a contabilidade não deve existir apenas para atendimento ao fisco, um problema que persistiu por muitos anos. Houve uma evolução por meio da Lei nº 6.404/76, o que consideramos um marco muito positivo.

Mais recentemente, tivemos mudanças importantes no capítulo contábil das leis das sociedades anônimas. A Lei nº 11.638/2007 e todos os Pronunciamentos Técnicos – CPC´s do Comitê de Pronunciamento Contábil e as Interpretações e Orientações Técnicas Contábeis – ICPC, editados pelo Conselho Federal de Contabilidade, cujo compromisso e preocupação é a harmonização das Normas Brasileiras de Contabilidade aos Padrões Internacionais.

Além de ter trazido relevantes alterações, todas em consonância com as normas internacionais, a nova legislação remove um grande número de barreiras para a adoção do International Financial Reporting Standards (IFRS) no país. Portanto, o registro contábil dos negócios não pode se restringir a um exercício mecânico baseado somente em fórmulas, mas pressupõe uma análise mais técnica e interpretativa.

Em outras palavras, significa dizer que à empresa compete analisar todos os seus processos econômicos, que modificam o seu patrimônio e registrá-los, tornando a informação a mais transparente possível. Procuramos seguir essas orientações, neste livro, elaborando um Plano de Contas comentado, para melhor orientação dos colegas quanto à classificação e natureza da movimentação patrimonial.


O autor Wagner Barbosa de Castro com o Dr. Dagoberto J. Steinmeyer Lima.
O processo de convergência trouxe mais uma vez uma série de desafios e oportunidades para todos os contabilistas brasileiros. Este Manual de Utilização de Plano de Contas com foco no mercado de Saúde Suplementar e Sistema Único de Saúde (Novos Padrões de Contabilidade – IFRS) está nascendo com intuito não só de auxiliar no processo de escrituração das organizações de saúde, mas também visando dar entendimento e interpretação uniformes a inúmeras disposições da lei, não tendo que ficar vinculada à legislaçao do imposto de renda e outras, o que representa, sem dúvida, um grande passo para a efetiva independência da Contabilidade como instrumento informativo.
Uma das primeiras análises do Manual foi feita pelo Assessor Jurídico da FBH e da AHESP, Dr. Dagoberto José Steinmeyer Lima, e é parte integrante da obra. Segundo ele, além de estima pessoal, nutre admiração profissional pelo autor há muitos anos. “Posso dizer que fui um dos que mais incentivou para que o Wagner colocasse no papel, de forma sistemática, a sua vasta experiência. Nessas páginas, ele conseguiu transformar uma matéria importante, porém árida, em algo fácil de entender e aplicar suas lições, possibilitando o entendimento e o trabalho dos contadores, principalmente aqueles que exercem sua atividade no segmento de saúde e, mais precisamente, no ramo hospitalar, conhecidamente complexo”, avaliou.

Sobre o Autor Wagner Barbosa de Castro é Contador, Economista, Administrador em Saúde, Consultor Empresarial, Perito nas áreas Contábil e Econômica, Palestrante, Especialista em Avaliações de Sociedades Empresariais e Goodwill. Com pós-graduação em Finanças e Marketing, foi diretor de hospital, de operadora de plano de saúde e odontológico por mais de 25 anos. É membro e Consultor da SOMATORIA S/A Consultoria em Saúde.


É NOTÍCIA - ASSOCIADO

 

PÓS-GRADUAÇÃO EM PERÍCIAS MÉDICAS

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas para a Pós-Graduação em Perícias Médicas, que oferece 55 vagas, tem duração de 12 meses e carga horária de 600 horas.

O curso tem a finalidade de capacitar médicos para realização de perícias cíveis, criminais, previdenciárias, trabalhistas, securitárias e administrativas em geral, fornecendo subsídios técnicos e científicos, discutindo legislação e normas pertinentes aos diversos tipos de perícias, analisando a inserção em processos judiciais e extrajudiciais e enfatizando sua adequada atuação e postura como perito. Além disso, visa capacitar o profissional para a elaboração de laudos e pareceres e, ainda, discutir as tendências da Medicina Legal.

Sob a coordenação dos professores doutores Daniel Romero Muñoz e Victor Gianvecchio, as aulas serão ministradas a cada quinze dias, em semanas alternadas. A programação compreende aulas teóricas, atividades práticas e orientação presencial.

O prazo de inscrição segue até 7 de março. O processo seletivo ocorrerá nos dias 14 e 15 e o resultado será divulgado no dia 20. O início das aulas está programado para 28 de março. Confira todas as informações, clicando aqui

CURSOS

 

NOVO CURSO DE AVALIADORES DO IQG

Com mais de 15 anos de atuação, o Instituto Qualisa de Gestão (IQG) é a empresa líder do mercado de certificação e implementação de programas de gestão de qualidade no segmento de saúde e, desde outubro de 2013, está oferecendo seu Curso de Avaliadores em novo formato, com aplicação da teoria da “Quarta Geração de Avaliação”.

Realizado em dois dias, o curso de capacitação profissional tem como objetivo:

Duas novas turmas estão programadas para os meses de fevereiro e março, sendo uma em São Paulo e outra em Foz do Iguaçu:

- São Paulo, nos dias 21 e 22 de fevereiro, das 8h30 às 18 horas. Veja as informações, clicando aqui

- Foz do Iguaçu, nos dias 21 e 22 de março, que inclui visita à Itaipu Binacional, uma cortesia do Hospital Costa Cavalcanti. Veja as informações, clicando aqui.

ASSESSORIA JURÍDICA

 

PENSEMOS MAIS EM SOLUÇÕES

O ato da crítica faz, de fato, parte do universo abstrato do Ocidente. Apesar de certamente anterior aos principais trabalhos de Immanuel Kant, não se pode negar que o formato, disposto nos textos mais importantes do autor, teve uma influência sobre a ciência e em nossa cultura como um todo.

O crítico coloca-se de fora, como um espectador superior às complicações por ele apresentadas, o que gera uma distorção da realidade. E uma exemplificação positiva é o problema da qualidade de atendimento dos hospitais e centros de saúde no Brasil.

Os dedos em riste apontando em tons acusativos, como os dos governantes, dos órgãos regulamentadores e da mídia, têm uma experiência dos problemas diametricamente oposta à dos usuários e dos prestadores de serviços clínicos, que conhecem empiricamente as verdadeiras arestas a serem aparadas, seja na saúde pública ou na privada.

Com essa perspectiva e uma larga experiência na militância pela saúde suplementar, posso afirmar que ações como a Acreditação Hospitalar, uma espécie de ISO da medicina, são soluções que deveriam ser mais enfocadas pelos atores externos ao processo de provimento e de demanda do tratamento médico.

Promovida pela Organização Nacional de Acreditação, uma entidade sem fins lucrativos criada em 1999, o certificado tem, como princípio, promover os padrões internos à altura das melhores práticas. Com os processos acelerados e assegurados, além do devido desenvolvimento de pessoas, tem-se, forçosamente, uma melhor atenção ao público. Avalia-se, durante a aplicação para a Acreditação, indicadores dos mais diversos, como a admissão e alta de pacientes, a área de farmácia, nutrição e laboratório, tanto do ponto de vista da qualidade da assistência como dos planos de rotinas. A visão, portanto, é global e em diversos níveis.

Os benefícios são bilaterais. De um lado, a melhoria do padrão do serviço, indiscutivelmente, responde aos anseios dos usuários dos serviços hospitalares, reduzindo filas, aumentando a qualidade e a presteza nos atendimentos, assegurando a consistência e a confidencialidade das informações retidas no processo. Do outro, a instituição acreditada atinge uma alta eficiência financeira.

Assim, a atração de investimentos e de aportes financeiros no mercado é facilitada, algo de valor inestimável, já que sabemos que a infraestrutura da saúde precisa, urgentemente, de um upgrade – e isto depende totalmente de recursos que se tornam cada vez mais áridos. Por fim, quando os profissionais médicos, de enfermagem e do setor administrativo empreendem ações com base nos melhores processos, é gerada uma sinergia positiva que aprimora o ambiente de trabalho.

Em suma, quanto mais as próprias administrações seguirem em busca de melhorias como essa, mais elas estarão em sintonia com as próprias urgências dos pacientes. É o sinal de que os dois lados da moeda estão em sinergia e o lado responsável busca soluções práticas, ao invés do que ocorre com a regulamentação instaurada com base em impressões completamente distantes do dia a dia hospitalar.

Dr. Dagoberto José Steinmeyer Lima
Consultor Jurídico da FBH e da AHESP

Ed. Anteriores