AtualAnteriores → Edição nº 71

INFORM@TIVO

 

SAÚDE SUPLEMENTAR

 

INDICADOS PARA DIRETORIA DA ANS SERÃO SABATINADOS


José Carlos Abrahão
Publicados pelo Diário Oficial da União na semana passada, os despachos da Presidência da República com a indicação de nomes para cargos de diretores da ANS já foram encaminhados para apreciação do Senado Federal. Os senadores deverão sabatinar os três indicados: Bruno Sobral de Carvalho, José Carlos de Souza Abrahão e Simone Saches Freire.


Bruno Sobral de Carvalho
Pediatra de formação, tendo passado pela Federação de Hospitais e Estabelecimentos em Saúde do Rio de Janeiro e pela Associação de Hospitais e Clínicas daquele estado, Abrahão assumiu a presidência da Confederação Nacional de Saúde em 2003 e, em sua trajetória, tem como destaque a aproximação com o mercado internacional, através da International Hospital Federation (IHF), que reúne mais de 100 países. Agora, está sendo indicado para ocupar o lugar deixado por Eduardo Marcelo de Lima Sales, que renunciou em agosto do ano passado.

Para a vaga deixada por Elano Rodrigues de Figueiredo, que também renunciou no mês de outubro, o despacho presidencial indica Simone Saches Freire, nomeada em setembro último para o cargo comissionado de diretora-adjunta CGE II, na Diretoria de Gestão da ANS.

Já Bruno Sobral de Carvalho é o único que teve o nome ratificado para mais um mandato de diretor na Agência.




ACREDITAÇÃO

 

ONA INICIA INTERCÂMBIO COM CERTIFICADORA AFRICANA

Com o objetivo de trocar experiências e informações relacionadas à certificação de qualidade, a Organização Nacional de Acreditação (ONA) estabeleceu intercâmbio com o Conselho para Acreditação de Serviços de Saúde da África do Sul - COHSASA. Para dar início à cooperação, a médica Maria Carolina Moreno, diretora de Relações Institucionais da ONA, esteve na Cidade do Cabo, onde fica a sede do conselho, participando de reuniões técnicas para falar da experiência brasileira e conhecer os programas que os responsáveis pelo modelo africano de Acreditação e Melhoria da Qualidade desenvolvem em nove países daquele continente.

Segundo a representante da ONA, existem vários pontos de interesse para o intercâmbio, a começar pelo fato do COHSASA ser considerado uma referência para os países em desenvolvimento e realizar seu trabalho com base nos padrões e requisitos da ISQUa - Sociedade Internacional para a Qualidade do Cuidado em Saúde, da qual é certificado como instituição e tem todos os seus manuais acreditados. Além de participarem da mesma rede internacional, a experiência desenvolvida em uma região tão extensa e com diversidades culturais e econômicas também aproxima as duas organizações.

" Mas o COHSASA tem uma estrutura diferente, a começar pela atuação em vários países e pelo fato de não contar com uma rede de instituições acreditadoras, como é o caso das IACs credenciadas pela ONA. Além disso, não trabalha apenas com a certificação, mas também realiza pesquisas científicas relacionadas à qualidade e segurança em saúde", observa a médica.

Com a atuação predominantemente voltada para os serviços públicos de saúde, que representam 70% das instituições participantes do sistema, o COHSASA usa modelos diferentes para ajudar os serviços de saúde a alcançar a acreditação, dependendo das necessidades dos clientes individuais. Seus programas são apoiados pelo sistema de informação de qualidade (CoQIS) que ajuda a priorizar as deficiências identificadas e gerenciar e monitorar projetos de melhoria de qualidade de saúde, até que seja alcançada a conformidade com as normas utilizadas.

Com um único nível de acreditação, a organização africana oferece dois tipos de programa: um de autoavaliação, para aqueles que pretendem implantar ações relacionadas à segurança do paciente e gestão da qualidade, incentivando um processo de monitoramento continuado; e um programa de certificação, que começa com o diagnóstico organizacional para identificar as não conformidades e os pontos a serem melhorados na instituição. Nesse caso, o trabalho tem a duração de dois anos, combinando autoavaliação, visitas de checagem e uma nova avaliação em loco para verificar a possibilidade da organização ser acreditada. Sendo detectada essa condição a organização é submetida à avaliação para a acreditação.




É NOTÍCIA - SETOR

 

SENADO ANALISA PROJETO QUE PROPÕE TABELA A ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE


Senador Jayme Campos (DEM-MT)
No último dia 18 de março, o senador Jayme Campos (DEM-MT) apresentou projeto de lei que obriga os estabelecimentos de saúde a exibirem tabela de preços dos serviços prestados aos usuários de “forma clara e em local de fácil acesso”, que foi enviado para análise da Comissão de Assuntos Sociais para recebimento de emendas e, posteriormente, seguirá para apreciação em decisão terminativa da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle.

O texto do PLS 92/2014 diz que a tabela deverá conter todos os preços de consultas médicas e de outros profissionais, de exames de toda ordem, de custos administrativos e de todo tipo de serviço oferecido. Estabelece ainda que o desrespeito à norma constituirá “infração sanitária, sem prejuízo de outras sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor e em outras leis em vigor”.

Trata-se de medida simples, mas necessária, por meio da qual milhões de brasileiros serão beneficiados, seja para ter elementos para decidir pela utilização ou não de tais serviços, seja para efetivamente controlar os custos e preços praticados. Desta forma, daremos uma saudável visibilidade a este importante mercado e certamente estaremos estimulando maior competitividade e transparência, para um segmento que afeta diretamente o dia a dia do brasileiro”, afirmou o autor do projeto.

Fonte: Agência Senado e portal Brasil 247

MINISTÉRIO PÚBLICO QUESTIONA CONVÊNIO DE GESTÃO DO SANTA MARINA

Existe uma série de irregularidades. A Prefeitura simplesmente mostrou uma proposta e acabou fazendo um chamamento público fictício de dez dias”, afirmou o promotor Cesar Dario Mariano da Silva ao recomendar que o Ministério Público Estadual suspendesse a assinatura do convênio com a Sociedade Beneficente Israelita Albert Einstein para a gestão do Hospital Santa Marina. Segundo ele, o Município não deu tempo para que outras Organizações Sociais (OSs) mostrassem interesse.

Já a Prefeitura alega que, apesar das tratativas com outras entidades, o Einstein foi o único a apresentar proposta sem ônus para o Município, com investimentos entre R$ 25 e R$ 40 milhões para reativar o hospital de 250 leitos, que a gestão Haddad adquiriu da Amil por R$ 59 milhões, no mês passado.

A Sociedade Brasileira de Clínica Médica foi uma das organizações de saúde que reclamou, apontando a falta de uma audiência pública sobre a proposta, que não incluiria itens básicos para o atendimento, como pediatria, obstetrícia e diagnóstico por imagem.

Fonte: O Estado de S. Paulo e portal Exame


É NOTÍCIA – MERCADO

 

INTERMÉDICA É VENDIDA PARA BAIN CAPITAL

Considerada como um dos ativos do setor de saúde mais cobiçados pelo mercado, a operadora de planos de saúde foi 100% vendida no último sábado, por cerca de R$ 2 bilhões, para a gestora americana de private equity Bain Capital, que já controla no país a Atento, empresa de call center.

Após receber inúmeras ofertas nos últimos cinco anos, as negociações de compra da Intermédica começaram em agosto passado e, na reta final, três fundos americanos participavam do processo: Bain Capital, KKR e Texas Pacific Group (TPG). Além deles, o empresário Edson Bueno, fundador da Amil, também chegou a fazer propostas, mas Paulo Barbanti dizia que não tinha interesse de vender sua operadora para concorrentes.

Uma das maiores do país, com 4 milhões de usuários, a operadora foi fundada em 1968 e foi uma das pioneiras em trabalhar com uma rede verticalizada e gerou grande interesse do mercado, segundo especialistas do setor, porque é uma empresa sem dívida e tem uma ampla rede própria de clínicas e hospitais que ajudam a manter custos.

Fonte: Valor Online e portal Exame

DISTRIBUIDORA BRASILEIRA PROFARMA SE ASSOCIA A AMERISOURCEBERGEN

Após as recentes aquisições nas sociedades da Prodiet e Arpmed e visando consolidar sua posição no mercado de especialidades farmacêuticas, a distribuidora de medicamentos Profarma anunciou, esta semana, associação com a americana AmerisourceBergen Corporation, que ficará com 19,9% de suas ações, com um aporte de capital de até R$ 335,6 milhões.

Além disso, as farmacêuticas brasileira e americana formarão a joint venture Profarma Specialty, com 50% de participação de cada uma, que atuará no mercado de especialidades. Toda operação, no entanto, ainda está condicionada ao cumprimento de determinadas condições.

Em comunicado, a Profarma afirmou que a associação permitirá que seja aproveitada toda tecnologia e conhecimento para gerenciamento de vendas e distribuição da AmerisourceBergen, uma das maiores fornecedoras de serviços e produtos farmacêuticos do mundo.

Fonte: Valor Econômico

Ed. Anteriores