AtualAnteriores → Edição nº 77

INFORM@TIVO

 

EM DESTAQUE

 

SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO: O PRESENTE E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

De acordo com levantamento divulgado pelo CFM na semana passada, R$ 3,05 é o valor que os governos federal, estaduais e municipais aplicaram em saúde para cada um dos 200 milhões de brasileiros cobertos pelo SUS, em 2013. As análises do Conselho revelam que o gasto per capita anual foi de R$ 1.098,75, valor abaixo dos parâmetros internacionais e que corresponde a metade do que gastaram os beneficiários de planos de saúde no mesmo período.

Além das despesas apresentadas à Secretaria do Tesouro Nacional pelos gestores, que somaram R$ 220,9 bilhões nos três níveis de gestão, o CFM considerou ainda os dados declarados pelos maiores municípios dos 10 estados mais populosos e cruzou os gastos em saúde com Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), oferta de leitos para cada grupo de 800 habitantes, cobertura populacional de Agentes Comunitários e Equipes de Saúde da Família, entre outros.

Resultado: o Conselho Federal de Medicina avaliou como insuficiente o gasto médio por habitante e os dados colocaram o Brasil entre os países que menos gastam com saúde no mundo. Apesar de diferenças metodológicas, números da OMS também revelam que o governo brasileiro tem uma participação aquém das necessidades e possibilidades no financiamento.

Gasto Público em Saúde por Pessoa
Brasil = US$ 512 Argentina

US$ 576

Espanha

US$ 2.175

Inglaterra

US$ 3.031

França

US$ 3.813

Alemanha

US$ 3.819

Canadá

US$ 3.982

Austrália

US$ 4.052



Por outro lado, o financiamento da Saúde está no centro das preocupações de gestores públicos e candidatos. Segundo matéria do jornal O Globo, os principais adversários da presidente Dilma Roussef, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), prometem aumentar substancialmente os investimentos em Saúde, vinculando 10% das chamadas receitas correntes brutas da União ao setor.

A proposta, que consta dos planos de governo dos dois presidenciáveis, atende à reivindicação do Movimento Saúde + 10 que, formado por dezenas de entidades, coletou dois milhões de assinaturas favoráveis a um projeto de lei nesse sentido, o que, no ano passado, teria representado um acréscimo de aproximadamente R$ 40 bilhões no orçamento do Ministério da Saúde.

Tangenciando a questão, o plano de governo de Dilma limita-se à proposta de ampliação de programas, o que gera aumento de despesas, mencionando apenas a necessidade de uma “rediscussão federativa” e alertando para o risco de superposição de investimentos. Além disso, reafirma o compromisso com o SUS e cita a expansão das Unidades de Pronto Atendimento, do SAMU e do Mais Médicos.

Mais detalhado, o plano do candidato tucano ressalta a necessidade de melhoraria de gestão, de mais dinheiro para o setor, apresenta dados que mostram que o gasto público no Brasil está abaixo da média internacional e manifesta apoio a uma política que garanta crescimento progressivo de financiamento para a saúde e à criação de uma carreira nacional de médicos.

A importância de fortalecer a rede de atenção básica, com postos de saúde e equipes do programa Saúde da Família, é ponto comum enfatizado nos três planos de governo. Serão apenas promessas de ano eleitoral? A nós, simples mortais, só resta esperar pra ver!

Fonte: CFM e O Globo


É NOTÍCIA – SÃO PAULO

 

HOSPITAIS PAULISTAS TERÃO SISTEMA DE ATENDIMENTO À DISTÂNCIA


Segundo o governo de SP, foram investidos R$ 3,1 milhões no projeto, que terá auxílio de profissionais do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e do Hospital São Paulo. Após a avaliação dos quadros será definida a necessidade da transferência do paciente para hospitais de referência.


Um serviço de atendimento médico à distância será usado por hospitais de São Paulo para esclarecer diagnósticos e monitorar pacientes que derem entrada em hospitais, prontos-socorros e unidades de pronto-atendimento. O sistema será operado pela Central de Regulação da Oferta de Serviços de Saúde e vai utilizar videoconferências para discutir os quadros clínicos dos pacientes.

A primeira unidade a receber a tecnologia é o Hospital de Bertioga, na região da Baixada Santista. Outras 31 unidades hospitalares, localizadas nas nove cidades da região, integrarão a rede. O serviço dispõe de seis postos de apoio, cada um equipado por um monitor de 21 polegadas Full HD, câmera Full HD 1080p, microfone e caixas acústicas profissionais.

Fonte: Saúde Business 365


É NOTÍCIA – ASSOCIADOS

 

SÍRIO-LIBANÊS QUER DOBRAR ATENDIMENTO ATÉ 2016


Iniciado há cinco anos, o plano de expansão do Hospital Sírio-Libanês ganhou investimento de R$ 1 bilhão e três novas torres, que ampliarão o número de leitos da unidade para 727. Três andares de uma delas já foram abertos, com 67 leitos e, até o final do mês, mais um pavimento começará a funcionar.

Embora a expansão aumente o luxo e conforto para pacientes (quartos VIP de 70 m2, antessala e dois banheiros; suítes conjugadas; quarto exclusivo para obesos com esteiras de transporte etc.), a direção quer, com o aumento na capacidade de atendimento, atrair parte da classe C.

Hoje, pela capacidade limitada que temos de receber a demanda, atendemos de forma particular os planos de classe A e B+ e, por meio de projetos com o SUS, as classes D e E. Com a expansão, queremos oferecer esse atendimento para mais gente, mais alguns planos de saúde das classes B e C”, explica Paulo Chapchap, superintendente de estratégia corporativa do hospital.

Fonte: Portal R7

A.C. CAMARGO CRIA ESCOLA AVANÇADA DE PATOLOGIA


Com a proposta de oferecer educação continuada aos patologistas brasileiros e a médicos residentes, o A.C. Camargo Cancer Center criou a Escola de Patologia Oncológica Avançada Humberto Torloni – Epoaht. O anúncio formal, no entanto, será feito durante a 7ª edição da Jornada de Patologia, que ocorrerá de 7 a 9 de agosto.

Além das tradicionais jornadas e dos simpósios internacionais de patologia promovidos pela instituição desde 1997, a Epoaht oferecerá cursos curtos e de média duração, estágios de 120 dias contínuos e o programa Preceptorship, que, entre outras atividades, terá aulas para grupos de até nove alunos em microscópio de dez cabeças, que permite a observação simultânea de uma mesma lâmina por até 10 pessoas.

Saiba mais aqui.

Fonte: Saúde Business Web

SANTA CATARINA INAUGURA CENTRO DE ENDOMETRIOSE


Com mais de 100 anos de existência e visando ampliar sua atuação em saúde da mulher, o Hospital Santa Catarina está inaugurando seu Centro de Endometriose, com estrutura completa para o diagnóstico e tratamento da doença que acomete milhões de mulheres em todo mundo.

Sob a coordenação geral do Dr. Alexander Kopelman, ginecologista, a unidade conta com equipe multidisciplinar composta por psicólogas, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas e técnicos de imagem. Os profissionais estão capacitados para atender os casos mais graves, através de intervenções cirúrgicas na própria estrutura hospitalar, contando com a expertise e infraestrutura de excelência para a realização desses procedimentos minimamente invasivos, como a laparoscopia.

O Centro de Endometriose do Santa Catarina está localizado no 7º andar do Bloco B e outras informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3016.4113.

Fonte: Hospital Santa Catarina


É NOTÍCIA – TECNOLOGIA

 

PELA PRIMEIRA VEZ, GOOGLE GLASS GANHA APLICAÇÃO EM HOSPITAL

As aplicações dos óculos inteligentes do Google que têm gerado muitas expectativas em todo o mundo chegam, pela primeira vez, ao histórico clínico no ambiente hospitalar. Graças a uma empresa espanhola, o hospital Perpetuo Socorro, na capital das Ilhas Canárias, está se tornando uma referência tecnológica na Espanha e uma instituição sem papéis.


A aplicação desenvolvida pela Droiders integra o histórico médico ao Google Glass que, por sua vez, está integrado ao sistema de gestão da instituição. Entre as vantagens, o sistema permite que o médico faça consultas com as mãos livres para realizar ações, além de acessar as informações do paciente de forma mais privada, com mais segurança e proteção dos dados.

Segundo a empresa responsável pela aplicação, o acesso ao histórico se dá através das pulseiras dos pacientes, que contam com um código QR e são escaneadas pelo Google Glass. Com apenas um toque no sensor, é possível acessar cada um dos pontos do histórico clínico: fatores de risco, evolução médica, evolução de enfermaria, tratamentos e documentos.

Além disso, a aplicação conta com um sistema de encriptação e borracha para garantir a absoluta confidencialidade dos dados do paciente, após cada consulta e, portanto, cumpre a Lei de Proteção de Dados.

Fonte: Revista Panorama Hospitalar

DENGUE: BRASIL PODERÁ TER VACINA NO FINAL DE 2015

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 638.404 casos de dengue, de 1º de janeiro a 28 de junho deste ano e, no mundo, ainda não há vacina disponível e licenciada contra o vírus que causa a doença. No entanto, na semana passada, a revista científica britânica The Lancet publicou um estudo da farmacêutica Sanofi com números otimistas.

O resultado dos estudos clínicos com mais de 10 mil pessoas da Ásia mostra que a vacina reduziu em 88,5% o número de casos de dengue hemorrágica, 56% os casos comuns da doença e diminuiu em 67% os riscos de hospitalizações. Até o final do ano, deve sair o resultado do outro estudo feito com mais de 20 mil crianças e adolescentes da América Latina: Brasil, Colômbia, Honduras, México e Porto Rico.

A gerente do departamento médico do laboratório Sanofi Pasteur Brasil, Sheila Homsani, acredita que a vacina já estará disponível no país até o final do ano que vem, informando que o Ministério da Saúde já demonstrou interesse e vem acompanhando os resultados das fases do estudo.

Fonte: O Estado de S. Paulo e Uol

FDA APROVA INSULINA INJETÁVEL


Depois de investir US$ 2 bilhões na insulina inalável Afrezza, o americano Alfred Mann recebeu a melhor notícia de sua carreira como físico e empresário, no último mês de junho: a aprovação da agência de controle de alimentos e remédios do governo dos Estados Unidos, a FDA, para o produto.

A nova insulina poderá livrar 25% dos diabéticos do mundo das injeções diárias do hormônio, o que significa dizer 90 milhões de doentes, sendo 3 milhões deles no Brasil. “Este é o maior marco na história do tratamento com insulina nos últimos 40 anos”, avaliou o endocrinologista Freddy Eliaschewitz, diretor do Centro de Pesquisas Clínicas de São Paulo (CPClin), referindo à data do lançamento do hormônio feito com material genético humano, na década de 70, que livrou os doentes dos efeitos colaterais severos das insulinas anteriores, produzidas a partir de animasi.

Fonte: Revista Veja

Ed. Anteriores