AtualAnteriores → Edição nº 79

INFORM@TIVO

 

EDITORIAL

 

RELAÇÃO CONTRATUAL ENTRE OPERADORAS E HOSPITAIS

Publicada em 24 de junho deste ano, a Lei 13.003, que torna obrigatória a existência de contratos escritos entre as operadoras de planos de saúde e seus prestadores de serviços e, portanto, disciplina a relação contratual entre elas e os hospitais, entrará em vigor após seis meses de sua publicação, ou seja, em dezembro.

No entanto, gostaríamos de chamar atenção para o fato de que as normas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em relação ao tema – a contratualização – estão vigentes e devem ser observadas. Nesse sentido, ressaltamos que dois pontos têm sido entraves para a assinatura dos contratos: o índice de reajuste e os prazos de revisão de glosas.

Índices de Reajuste
A AHESP ratifica aos hospitais a recomendação para que adotem critérios bem transparentes junto às operadoras, deixando claras as bases de cálculo usadas para a obtenção dos índices solicitados. Para ilustrar tal orientação, divulga mais uma vez a metodologia de composição de custos de diárias e taxas hospitalares, que é resultado de pesquisa realizada junto a um grupo de estabelecimentos associados:

Metodologia da Composição do Cálculo do Reajuste

Folha de Pagamento: 52,0%

Refere-se a salários e encargos de empregados registrados

Contratos de Terceiros: 37,4%

Contratos de conservação do imóvel, manutenção de móveis e equipamentos, vigilância, limpeza, lavanderia, nutrição, esterilização, serviços de contabilidade, advocacia e outros de empresas especializadas, assim como alugueis.

Insumos: 7,3%

Insumos relativos à alimentação de pacientes e funcionários, materiais e produtos de higiene, de limpeza e de esterilização, óleo combustível, materiais de construção para manutenção do imóvel etc.

Taxas Públicas: 3,3%

Luz, água, telefone, internet, gás não medicinal.

Com esses percentuais, podemos construir uma fórmula para calcular o índice de reajuste, considerando insumos e taxas públicas em um mesmo grupo:

(0,520 + 0,374 + 0,106 = 1,0)
(0,520 X Índice do Dissídio Coletivo da Categoria Dominante) + (0,374 X INPC) + (0,106 X IPCA) = Índice de Reajuste

Os hospitais que possuem centros de custos bem estruturados podem adequar esses componentes e seus respectivos índices a sua realidade.

Oportuno informar que este deve ser o índice básico de reajuste. No entanto, é possível discutir propostas de reajuste superior ao índice básico, tendo como parâmetros alguns indicadores de qualidade, controle de custos, inclusive de OPME, da oferta de procedimentos gerenciados etc.

Prazos de Revisão de Glosas
Quanto a essa questão, a AHESP destaca que a nova versão da TISS 3.02.00, que entrará em vigor no próximo dia 1º de setembro para atendimentos a partir dessa data, contempla o “Demonstrativo de Análise de Contas”, no qual serão feitos todos os apontamentos de glosas e seus respectivos motivos e enviados pela Operadora ao Hospital, em arquivo XML, assim como o “Demonstrativo de Pagamento”. Já o Hospital deve recorrer das glosas por intermédio da “Guia de Recursos de Glosas”, também em XML.

É de extrema importância que o contrato estabeleça, para ambas as partes, de forma clara os prazos para apresentação do demonstrativo das glosas, para o recurso e para as tréplicas. Também devem ficar estabelecidos prazo e quantidade máxima de réplicas e tréplicas (no máximo 3), depois do que, a divergência passaria a ser analisada por instâncias superiores, visando a solução final.

Por fim, a Associação dos Hospitais do Estado de São Paulo se coloca à disposição para auxiliar no caso dos hospitais encontrarem dificuldades junto à alguma operadora.

Para conferir a Lei 13.003 na íntegra, clique aqui

Até a próxima!

Dr. Eduardo de Oliveira
Presidente




HOMENAGEM

CONSELHEIRO DA AHESP É HOMENAGEADO PELA SANTA CASA DE SÃO PAULO


Drs. Antônio Carlos Forte, Superintendente; Edison Ferreira da Silva e Kalil Rocha Abdalla, Provedor.
A Associação dos Hospitais do Estado de São Paulo quer parabenizar seu conselheiro Edison Ferreira da Silva que, no último dia 30 de julho, foi homenageado com a indicação a Irmão Remido da Santa Casa de São Paulo. Além disso, deseja ainda mais sucesso em sua trajetória profissional, assim como agradece pela contribuição voluntária que vem dando à AHESP, através de sua participação no Conselho Diretor da entidade.

Para quem não sabe, o Dr. Edison Ferreira da Silva é Chefe de Gabinete da Superintendência da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Advogado, com graduação em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela Fundação Getúlio Vargas; em Saúde Ambiental e Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde pela Universidade Federal de Santa Catarina e FGV; em Tecnologias Ambientais pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e é membro da Comissão Tripartite Regional do Ministério do Trabalho de São Paulo, entre outras experiências e responsabilidades.

Para homenagear o Dr. Edison, nada melhor do que reproduzir o sentimento diante desse importante reconhecimento, através de suas próprias palavras:

Fiquei e fico muito honrado com a indicação e lisonjeado pelos préstimos à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo por mais de 30 anos de atividades profissionais. Desta forma, a caminhada demonstra compromisso desde que ingressei como mero Escriturário, posteriormente, Auxiliar de Pessoal, Assistente Administrativo, Encarregado, Chefe de Seção, Preposto Judicial, Advogado, Diretor de Recursos Humanos e, atualmente, como Chefe de Gabinete da Superintendência.

Somente eu sei as dificuldades de uma família humilde em conseguir um diploma superior para seu filho e possuir, na configuração familiar, arrimo de família e assumir a gestão da sobrevivência. Foram inúmeras dificuldades para conclusão do curso de Direito, sobremaneira as 4 horas de sono diário e um mísero trocado para ir de trem, sem poder gastar nada, caso contrário, não voltaria para casa.

Trata-se de uma vida, que trilha a gestão de vários Provedores e conhecedor de inúmeras dificuldades que esta Instituição já atravessou e, graças a Deus, foram superadas ao longo destes anos.

Dedico esta homenagem ao meu neto, Felipe, sabedor das angústias de um Administrador, com quem ainda encontro tempo de conversar e brincar nesta vida maravilhosa.




CURSOS

 

PROGRAMAÇÃO AHESP TEM MAIS TRÊS CURSOS EM SP NESTE SEMESTRE

Buscando contribuir com o aprimoramento e reciclagem dos profissionais dos serviços de saúde, a AHESP estará promovendo, nos próximos meses, cursos com foco em higiene, limpeza e resíduos hospitalares, em seu auditório aqui em São Paulo, com a participação de instrutores especializados.

Os cursos têm duração de 4 horas/aula, acontecerão das 8 às 12 horas e têm número de vagas limitado.

Para fechar os temas e promover um amplo debate com os especialistas, no dia 6 de novembro, das 8h30 às 16 horas, será a vez do I SEMINÁRIO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS com a participação de todos os instrutores.

Saiba mais sobre a formação e experiência de cada um deles, a seguir, programe-se e participe:


Edison Ferreira da Silva – Advogado, com graduação em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela Fundação Getúlio Vargas (FGV); em Saúde Ambiental e Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde pela Universidade Federal da Santa Catarina (UFSC) e Fundação Getúlio Vargas; em Gestão e Tecnologias Ambientais pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI/USP); membro da Comissão Tripartite Regional do Ministério do Trabalho de São Paulo (CTPR/SP NR 32).


Sueli Bavaresco Corraro – Supervisora de Gestão Ambiental, com graduação em Enfermagem e Obstetrícia, Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela Fundação Getúlio Vargas (FGV); especialista em Centro Cirúrgico pela Universidade de São Paulo (USP); Licenciatura pela Universidade Federal de São Paulo - Unifesp Botucatu; especialista na Área de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde e capacitação em riscos biológicos e ocupacionais.


Gilberto Jorge Arruda – Engenheiro Mecânico, com pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho (UNIP); Licenciado em Física (UNAR); Docente em Curso Técnico Enfermagem/Radiologia e de Pós-Graduação em Medicina do Trabalho. Especialista na área de segurança ocupacional em atividades de serviços de saúde.


Tereza do Carmo Rodrigues – Supervisora de Serviços Terceirizados, com graduação em Hotelaria Hospitalar, pós-graduação em Administração Hospitalar pela Faculdade São Camilo; especialista em Serviço de Higiene e Limpeza Hospitalar e Capacitação de Riscos Biológicos e Ocupacionais, nas atividades técnicas e operacionais de Higiene e Limpeza e Resíduos de Serviços de Saúde.






RIBEIRÃO PRETO

 

EM AGOSTO TEM SEMINÁRIO AHESP NO INTERIOR DO ESTADO

Atendendo às solicitações de várias instituições de saúde das diferentes regiões do estado e após algum tempo sem percorrer o interior com seus cursos e eventos, a AHESP dará início a um calendário especial agora em agosto, que seguirá pelos próximos meses.

No próximo dia 29, Ribeirão Preto sediará o I Seminário AHESP de Gerenciamento de Resíduos Hospitalares, que acontecerá no auditório do Hospital São Francisco, das 8h30 às 16 horas, com vagas limitadas.


Ciente de que cada vez fica mais difícil o deslocamento para a Capital, a Associação convida todos os profissionais de saúde da Região para aproveitarem essa oportunidade, quando quatro especialistas estarão reunidos, abordando temáticas de interesse para aqueles que atuam no segmento, diante dos avanços de normativas e práticas desenvolvidas na Gestão de Resíduos Hospitalares.

As inscrições estão abertas para instituições associadas ou não à AHESP e as informações sobre o evento podem ser conferidas clicando aqui.

Nesta oportunidade, agradecemos imensamente o apoio do Hospital São Francisco, importante parceiro na realização do evento de Ribeirão.

E atenção profissionais de estabelecimentos de saúde das regiões de São José do Rio Preto e Campinas! A AHESP levará o evento para as duas cidades nos meses de setembro e outubro, respectivamente. Por isso, acompanhem nossas divulgações e participem.




FLUXO DO PACIENTE

 

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE FLUXO DE PACIENTE

Você tem problemas na ocupação em seu hospital?

Sua Emergência tem esperas frequentes?

É difícil acomodar a demanda cirúrgica?

A gestão eficiente do fluxo do paciente tornou-se um desafio para as instituições de saúde a fim de adaptar a capacidade à demanda, de modo a assegurar que os pacientes recebam o cuidado certo, no lugar certo, na hora certa, durante todo o tempo, promovendo maiores níveis de segurança e satisfação do paciente, maior retenção e satisfação do staff médico e assistencial e ainda maior produtividade e rentabilidade para as instituições.

O Tempo Médio de Permanência (TMP) dos Pacientes passou a ser uma medida do quão eficientemente os leitos hospitalares são utilizados. Revisar processos e eliminar desperdícios favorece a redução do TMP e aumenta a “capacidade virtual” por meio de melhor eficiência operacional.

Para abordar esse tema tão complexo, nos dias 8 e 9 de setembro, acontecerá o I Simpósio Internacional sobre Fluxo de Paciente, que conta com o apoio institucional da Associação dos Hospitais do Estado de São Paulo (AHESP) e oferece a opção de participação presencial e online.

Organizado pelo Centro de Educação em Saúde Abram Szajman do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Albert Einstein e realizado pela Unidade de Pacientes Internados do Hospital, o evento tem por objetivo:

E os diferenciais são:
Associados AHESP têm 10% de desconto na inscrição e podem conferir todas as informações aqui



Ed. Anteriores